Sinte-RN reclama da falta de reajuste salarial e do não pagamento do terço de férias (Foto: Ney Douglas)

Do Portal Agora RN – Nesta quinta-feira 8, o Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do RN (SINTE) se reúne em assembleia para discutir a possibilidade de greve a exatamente uma semana do início do ano letivo no Município. A categoria reclama do não pagamento do terço de férias e do reajuste salarial em janeiro pela Prefeitura de Natal. Coordenadora do sindicato, Fátima Cardoso confirmou ao Agora RN as pautas do encontro, que também vai tratar da falta de um calendário de pagamento para os aposentados.

“Por lei, no mês de janeiro, é preciso haver correção salarial da categoria, o que não foi feito nem pelo Estado e nem pelo Município; além disso, a categoria vai discutir a inexistência do calendário dos aposentados, e tem ainda o terço de férias que não foi pago pela Prefeitura”, explicou Fátima Cardoso.

De acordo com a Secretaria Municipal de Educação (SME), em 2017 a rede possuía 15.703 crianças na Educação Infantil e 41.624 alunos matriculados nas escolas de Ensino Fundamental. Em 2018, a previsão é que os níveis da Educação Infantil (creche e pré-escola) tenham, juntos, um acréscimo de 1.120 vagas. São, pelo menos, 16.820 crianças sob risco de não iniciarem as aulas dentro do calendário estipulado pela Prefeitura, sem mencionar os novos alunos do Ensino Fundamental.

A reportagem tentou entrar em contato com a secretária Municipal de Educação, Justina Iva, para saber se a Prefeitura de Natal já está a par da possibilidade de uma paralisação dos trabalhadores da Educação Pública e saber se o Executivo já está tomando providências para solucionar o problema, pagar o terço de férias, bem como atender às outras demandas do Sinte-RN, mas não obteve sucesso até o fechamento desta matéria.

Vereador Sandro Pimentel (PSOL) – Foto: José Aldenir/Agora Imagens

Sandro Pimentel: “Prefeito está mais preocupado com o Carnaval do que com a Educação”

O vereador Sandro Pimentel (PSOL) se disse revoltado com a situação. Para ele, o prefeito Carlos Eduardo Alves (PDT) tem se preocupado mais em deixar a cidade pronta para o carnaval, do que quitar os salários dos educadores, principalmente a poucos dias do início do ano letivo.

“É inaceitável que diversos municípios e capitais já cumpriram seus compromissos com a categoria e aqui, em Natal, o prefeito está mais preocupado com o carnaval – e pior – esquece que as aulas vão começar no dia 15 de fevereiro. Ele sequer pagou o terço de férias que era para ter saído em dezembro. A categoria deveria entrar de férias já com dinheiro no bolso, mas o prefeito já mudou isso há algum tempo. Ele simplesmente trata com desdém os educadores. É possível que haja greve, o que é lamentável, mas se houver, essa fatura está sob responsabilidade do prefeito Carlos Eduardo Alves”, declarou o parlamentar.